End: Praça Presidente Vargas, s/n, Centro - Santa Cruz, RN
Tel: (84) 3291-2112 - paroquiadesantaritarn@gmail.com

Horários: Terça à Sexta: 18h | Sábado: 10h | Domingo: 7h e 10h Transmitidas pela TV Santa Rita e Rádio Santa Cruz AM

Notícias › 25/01/2021

O que a conversão de São Paulo nos ensina sobre Cristo

A vida cristã consiste em abraçar a religião, em ter uma conversão forte na fé, até o ponto de se tornar cada vez mais homens e mulheres evangélicos, vivendo neste mundo “à imagem e semelhança de Deus”. Mas o que isso significa e como conseguimos essa conversão?

A conversão de São Paulo no caminho de Damasco é exemplar. É uma das razões das quais é a única que comemoramos no ano litúrgico, no dia 25 de janeiro. Não comemoramos a conversão de Santo Agostinho, nem a de São Francisco, nem a do Beato Charles de Foucauld, mas sim a de São Paulo, porque ele é de certo modo o arquétipo de toda conversão cristã. Então, temos que entender o que é.

A conversão, para São Paulo, não consistia apenas em renunciar às suas opiniões e mudar seu comportamento, mas em renunciar à imagem que tinha de si mesmo, em morrer em si mesmo para revestir-se de Cristo. Ele não apenas passou da condição de fariseu para a de cristão praticante e atencioso. Ele se tornou uma “nova criatura em Cristo” (2 Cor 5,17). Assim é a mesma coisa com todos nós. O apelo de Cristo à conversão é um convite a entrar em comunhão com Ele, até o ponto de poder dizer com São Paulo: “Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim” (Gl 2, 20). Desde a sua conversão, esta é a única coisa que realmente contou aos olhos de São Paulo. Nem a circuncisão, nem a lei, nem as obrigações alimentares, mas Cristo.

Convertam-se para se tornarem homens e mulheres evangélicos

Nossa vida cristã é basicamente um processo de conversão. Trata-se de nos libertar de toda forma de escravidão para assemelharmos cada vez mais ao próprio Deus, que nos criou à sua imagem e semelhança. Se não nos convertermos, se não nos tornarmos mais semelhantes a Cristo depois de anos de vida “cristã”, então corremos o risco de ser neste mundo meras caricaturas de Deus e, vamos enfrentá-lo, uns escândalos ambulantes para aqueles que só conhecem o Evangelho por ouvir dizer. Agora, como diziam os antigos: Corruptio optimi, pessima, a corrupção dos melhores é a pior de todas!

Quantas vezes já ouvimos este tipo de comentário de pessoas escandalizadas pelos “católicos dominicais”: “Você diz que é cristão e passa o tempo fazendo isso ou sem fazer aquilo”. E é que a autêntica vida cristã não consiste apenas em ir à missa de domingo e em acreditar nos 598 números do resumo do Catecismo da Igreja Católica (embora isso seja ótimo, obviamente). A vida cristã consiste em ter uma conversão até o ponto de nos tornarmos cada vez mais homens e mulheres evangélicos, vivendo neste mundo “à imagem e semelhança de Deus”. Portanto, o essencial da conversão cristã pode ser dito em duas palavras: divinização e libertação. Converter-se é unir-se a Deus e libertar-se do que é contrário à ele.

Deus nos uniu à sua própria vida

O Oriente cristão não hesita em falar de “divinização” para expressar esta vocação cristã. “Porque esta é a razão pela qual o Verbo se fez homem, e o Filho de Deus, o Filho do homem: para que o homem, entrando em comunhão com o Verbo e recebendo assim a filiação divina, se torne um filho de Deus”, disse Santo Irineu de Lyon (século II). Santo Atanásio de Alexandria (século IV) acrescentou: “Porque o Filho de Deus se fez homem para nos fazer Deus”. Até Santo Tomás de Aquino (1225-1274) concordou: “O Filho Unigênito de Deus, querendo nos tornar participantes da sua divindade, assumiu a nossa origem para que, feito homem, fizesse dos homens deuses”.

Hoje em dia, hesitamos na hora de usar essa linguagem. E, no entanto, não há nada mais clássico e mais verdadeiro do que isto: Deus, desde a criação da humanidade, não teve outro propósito senão tornar o homem semelhante à Ele. O pecado de Adão e do homem condenou aquele plano original, mas a obediência de Cristo à Cruz o restaurou. Em Cristo, tornamo-nos “participantes da origem divina” (2 Pedro 1, 4). Certamente, não somos divinos do ponto de vista da origem – ainda somos humanos – mas somos do ponto de vista da vida divina que flui em nossa alma desde o batismo. Deus nos juntou à sua própria vida. A graça que transborda em nossa alma é uma participação em sua própria vida, mas se isso for verdade, como podemos mudar tão pouco? Por que é tão difícil para nós ter uma conversão de verdade? Em parte, é porque não tornamos esta verdade nossa. Acreditamos vagamente que somos filhos de Deus, por isso não entramos totalmente no mistério que nos foi dado viver aqui e agora.

Visto que o que somos profundamente não é muito visível mesmo aqui embaixo, sempre somos levados a diminuir o mistério de nossa vida cristã. O Diabo, que entende muito bem qual é a pergunta, nos testa (e nos odeia!) da mesma forma que testou (e odiou) Jesus no deserto, tentando nos fazer duvidar do nosso ser profundo: “Se tu és o Filho de Deus”, quer dizer: “Se tu és o que pretendes ser, isso deveria ser visto um pouco mais!”. O Diabo quer nos cegar para nossa verdadeira identidade (Deus em nós e nós em Deus). E é a armadilha em que caímos sempre que tentamos construir nossa personalidade em algo diferente de Deus. Então, assumimos uma certa qualidade superficial para nosso eu profundo e, em última análise, é uma forma sutil de idolatria mas gostamos de adorar esse querido “eu” que pensamos que somos; e como percebemos que a conversão vai arrancá-lo de nós, resistimos, deixamos a Hora de Deus e a nossa para amanhã.

Uma conversão é uma libertação

Cada conversão é um mistério pascal: um mistério de crucificação e ressurreição, porque ter uma conversão “numa nova criatura” só pode ser feito ao preço da morte do “homem velho” (isto é, muitas vezes, do homem novo em quem acreditamos ser!). No entanto, embora seja algo a que todos estamos muito apegados, trata-se da imagem que fazemos de nós mesmos (seja ela positiva ou negativa, além disso). Saulo, que planejava chegar com orgulho a Damasco para levar os discípulos de Cristo cativos para lá, deve ter, após seu encontro com Jesus, entrado na cidade cego e conduzido pela mão. Foi necessário que seu “ego” fosse quebrado para que seu “eu profundo” pudesse emergir. Foi necessário que o fariseu que ele foi, fosse “crucificado” com Cristo para poder ressuscitar cristão.

No terceiro relato de sua conversão, no capítulo 26 dos Atos dos Apóstolos, há um detalhe que nos diz o quão difícil deve ter sido a luta com Deus para Saulo. Tendo se tornado cristão, ele contou esta frase que Cristo lhe disse no caminho: “Saulo, Saulo, por que você está me perseguindo? Você se machuca ao chutar o ferrão”. Chutar contra o ferrão é o que o boi faz quando se recusa a avançar, embora receba a aguilhada do boiadeiro. Jesus, portanto, compara Saulo a um boi que resiste e se machuca por resistir. É também comovente ver que ele não lhe diz: “Você me desrespeita resistindo a mim” ou “Você é cruel e saberá da minha raiva se continuar assim”. Também não diz: “Acho difícil suportar isso”, mas sim: “É difícil para você”, “É muito difícil para você”. É um pouco como dizer: “Não vou falar sobre o dano que você está causando a mim, mas olhe um pouco para o dano que você está causando a si mesmo!”

A conversão cristã não é apenas uma conversão moral ou uma libertação do pecado (Paulo não nos diz: “Antes eu fazia coisas erradas, agora faço coisas certas”); é uma conversão que atinge no fundo de todo o nosso ser pessoal, uma libertação em relação a tudo o que, em nossa pessoa, resiste a Deus.

Fonte: Aleteia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X