End: Praça Presidente Vargas, nº80 - Centro - Santa Cruz, RN
Tel: (84) 3291.2112 - secretaria@paroquiasantaritarn.com.br

Horários: Matriz: Terças, Quinta e Sexta - 18h 1ª sexta feira - 7h - 2ª quinta-feira - Cura- 19h sábado - 10h - 1º sábado missa da criança - 16h Domingo - 07h e 19h - Veja +

Notícias › 30/06/2017

Santa Sé: desarmamento e não à proliferação de armas

Sem o desarmamento, a não proliferação e o controle das armas a paz continuará sendo gravemente ameaçada com o consequente aumento do risco de uma utilização de armas biológicas, químicas e nucleares por parte de Estados ou grupos terroristas.

Foi a forte advertência do observador permanente da Santa Sé na Onu, Dom Bernardito Auza, num debate, esta quinta-feira (28/06), no Conselho de Segurança das Nações Unidas. O prelado definiu “um imperativo” para todos os atores estatais a superação das divergências e o alcance de soluções políticas para um desafio-chave para a governança mundial.

Contradição em falar de paz e permitir as armas

Passados seis meses da resolução 2325 sobre a não proliferação das armas de destruição em massa, a situação permaneceu substancialmente inalterada, acrescentou o arcebispo filipino citando em seguida o Papa:

“Nós dizemos: nunca mais, mas, ao mesmo tempo, produzimos armas e as vendemos àqueles que estão em guerra com outro. É uma contradição absurda falar de paz e, ao mesmo tempo, promover ou permitir o comércio de armas.”

Um desafio global

A Santa Sé define a cooperação entre os Estados e a coordenação dos esforços nacionais, regionais e internacionais como essenciais para reforçar a resposta a esse sério desafio global. O representante vaticano exortou todos os Estados à adoção de medidas adequadas em conformidade com o direito nacional e internacional.

Sim à criação de áreas livres de armas de destruição em massa

Segundo o observador permanente “a criação de áreas livres de armas de destruição em massa constituiria um grande passo” a demonstrar a possibilidade de alcançar “um acordo global pela não proliferação” e a tutela da segurança global e do desenvolvimento sustentável.

De fato, os custos humanos e materiais derivantes da produção de armas tanto convencionais quanto de destruição em massa são enormes, ressaltou Dom Auza.

Por Rádio Vaticano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *